A crise humanitária no Chile

Protestos anti-imigrantes ocorrem no Chile, demonstrando o aumento da crise migratória.


Por Mariana Miretzki*

Crédito: REUTERS/Alex Diaz (editada)


No sábado, 25 de setembro, o Chile foi palco de cenas desumanas contra imigrantes, com manifestantes pedindo o fim da imigração ilegal na cidade de Iquique, localizada no norte do Chile, estando a apenas 2.000km da capital, Santiago. O norte do país vem sendo a principal entrada de imigrantes, e com a diminuição de vistos e a crescente onda migratória, estes são obrigados a morarem em pequenas cidades, de forma ilegal e sem trabalho.


Segundo o relatório do Serviço Jesuíta aos Migrantes do mês de setembro, as pessoas que chegaram ao Chile por meios clandestinos aumentaram em 7 mil com relação ao ano anterior, somando 23.673 mil pessoas até julho. A crise sanitária da Covid-19 acarretou na maior procura por travessias não autorizadas, muitos imigrantes ainda não tomaram a vacina contra o vírus, demonstrando uma falha nas respostas das autoridades perante necessidades básicas, gerando uma crise humanitária, principalmente no norte do Chile.


Na sexta-feira, um dia antes dos protestos, imigrantes que viviam em situações precárias e insalubres foram despejados de suas moradias pela polícia. Essas pessoas, em sua maioria viviam em barracas ou tendas feitas de forma improvisada, e a ação acarretou em 14 detidos, além de policiais feridos. Essas famílias vendiam balas e pediam por dinheiro, visto que não poderiam ir até Santiago, nem requisitar o visto e agora estão se realocando por conta própria.


Este acontecimento foi o gatilho para que moradores da cidade se organizassem nas redes sociais para realizar o protesto anti-imigrantes no sábado (25 de setembro). Os manifestantes marcharam por dez quarteirões, cantando o Hino Nacional e portando cartazes com falas como: “Chega de imigração ilegal”, “O Chile é uma república que se respeita” e “Os direitos humanos são para chilenos”. Alegaram que os imigrantes estariam deteriorando seu país e chegaram a queimar o espaço de moradia de venezuelanos que não se encontravam no momento. Moradores que não participaram do protesto descreveram que a situação era triste, houve, também, um menino que ficou desaparecido por horas, encontrado apenas depois dos protestos, bem como houveram diversas agressões, obrigando os imigrantes a se esconder e a que a polícia interviesse. Cristina Oyarzo, uma historiadora e moradora da cidade, descreveu que os imigrantes estavam desesperados porque estavam encurralados entre seus agressores e o mar: “Eles não tinham saída”, afirmou a historiadora.


Essa situação provocou uma série de debates a respeito da crise e a falta de retorno que o Governo vem fornecendo a respeito, acentuando a tensão entre os imigrantes e residentes da cidade. A prefeita de uma localidade próxima diz que não há fonte de renda para gerar recurso local e que lamenta por ambos. A crise humanitária vem em um aumento crescente, deixando os cidadãos insatisfeitos e os imigrantes à mercê da própria sorte e que continuam em situação precária. As autoridades se manifestaram, se posicionando contra a violência dos protestos, mas deixando claro que a expulsão de imigrantes em espaços públicos continuará. A ONU se posicionou a respeito por meio de sua conta no Twitter, dizendo que: "Respeitando a soberania, pedimos às autoridades e à população para agirem no marco do respeito aos direitos humanos e do direito internacional humanitário", enfatizando a disposição em prestar assistência e cooperação combinando esforços nacionais e locais. Até o momento nada foi feito a respeito.

*Aluna do segundo período diurno do curso de Relações Internacionais da Universidade Positivo.


REFERÊNCIAS:

Estado de Minas Internacional. ONU expressa 'preocupação com violência e xenofobia' contra imigrantes no Chile. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2021/09/27/interna_internacional,1309320/onu-expressa-preocupacao-com-violencia-e-xenofobia-contra-imigrantes-no-c.shtml. Acesso em 16 de out. 2021.


MOHOR, Daniela. CNN BRASIL. Crise migratória sem precedentes dispara na América Latina. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/crise-migratoria-sem-precedentes-dispara-na-america-latina/. Acesso em 16 out. 2021.

MONTES, Rocío, EL PAÍS. Marcha anti-imigrantes no Chile termina com roupas e brinquedos de venezuelanos sem-teto queimados. Disponível em: https://brasil.elpais.com/internacional/2021-09-27/marcha-antimigrantes-no-chile-termina-com-roupas-e-brinquedos-de-venezuelanos-sem-teto-queimados.html. Acesso em 16 out. 2021.


MOYA, Isabela. Estadão. Crise migratória nos EUA motiva discussões sobre América Latina. Disponível em: https://educacao.estadao.com.br/blogs/estadao-na-escola/2021/10/01/crise-migratoria-nos-eua-motiva-discussoes-sobre-america-latina/. Acesso em 16 out. 2021.


PRESSE, France. G1. Chilenos protestam contra imigrantes e queimam pertences de venezuelanos. Disponível em: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2021/09/25/chilenos-protestam-contra-imigrantes-e-queimam-pertences-de-venezuelanos.ghtml. Acesso em 16 out. 2021.