Jornalistas afegãs são obrigadas a cobrirem seus rostos ao se apresentarem na TV

Maio é marcado por uma série de restrições contra as mulheres por parte do Talibã e comunidade internacional protesta a respeito.


Por Leticia Cunha* e Mariana Miretzki**

Crédito: Getty images (editado)


No dia 7 de maio deste ano, o Talibã anunciou que as mulheres afegãs deverão cobrir totalmente seus rostos ao sair em público. Essa foi apenas uma das várias restrições que o grupo vem impondo às mulheres, desde que assumiram novamente o controle do Afeganistão, em agosto de 2021. A princípio, a regra não se aplicava às mulheres jornalistas e apresentadoras ao aparecerem na TV, contudo, foi divulgado na quinta-feira do dia 19 de maio, que seus rostos deveriam permanecer cobertos enquanto estivessem trabalhando.


Muitas das jornalistas dos principais canais de notícias afegãos foram contra essa decisão, que, segundo Akif Muajer, porta-voz do Ministério do Vício e da Virtude do Talibã, era apenas um “conselho”, mas que dia 21 de maio seria o último dia para terem seus rostos descobertos. Sendo assim, diversas apresentadoras apareceram no sábado (21) apenas com seus hijabs (véu que cobre a cabeça, cabelos, orelhas e pescoço), e os rostos livres, como uma forma de protesto contra a decisão do governo. Após esse incidente, o Talibã decidiu pressionar os canais de notícias e, sob o risco de perderem o emprego, as mulheres apareceram nos programas de domingo (22) apenas com os olhos à mostra.


Uma das jornalistas de uma rede de TV em Kabul disse à BBC News que essa decisão é uma das formas do grupo extremista de pressionar as mulheres para que elas parem de apresentar programas de televisão, e afirmou: "Hoje é mais um dia trágico para as mulheres do meu país".


Essa decisão não foi surpresa para a comunidade internacional já que, desde que voltaram ao poder, o Talibã vem se mostrando muito contrário ao direito das mulheres. Muitas das repórteres afegãs vêm pedindo um posicionamento das autoridades internacionais para que as ajudem, pressionando o grupo a relaxar com as restrições impostas. Com isso, Richard Bennet, relator especial dos direitos humanos da ONU no Afeganistão declarou na quinta-feira (26) que o intuito do Talibã é deixar as mulheres invisíveis perante a sociedade, impedindo-as de se deslocar, estudar ou manter seus até então empregos, representando um crescente aumento de restrições aos direitos das mulheres.


Um dia depois, o Talibã respondeu aos pedidos da ONU, que havia solicitado a retirada das várias restrições impostas, frisando que elas possuem direito à liberdade e participação plena na vida pública. O Conselho de Segurança da ONU, que teve um texto assinado por 15 membros, pede em especial que o Talibã reabra escolas para as meninas e mantém a preocupação com toda a segregação imposta. Porém, mesmo com o apelo da comunidade internacional, o Ministério das Relações Exteriores afegão afirmou na sexta-feira (27) que as preocupações do Conselho de Segurança da ONU são infundadas e que continua com seu dever de proteger os direitos das mulheres afegãs e que além disso, o uso do hijab condiz com a cultura e religião da maioria das mulheres afegãs que seguem a religião muçulmana.


Por tanto, um Talibã que tentava se mostrar mais ameno acaba, por fim, revelando antigas faces e uma frente mais radical, relembrando o seu primeiro governo, que teve fim em 2001. Nesse meio tempo a comunidade internacional permanece com o Afeganistão sob sua atenção, mas sem poder de ação, visto que a ONU fez uma resolução onde reconhece a presença formal do Talibã em território Afegão, e com isso as mulheres ficam ainda mais desamparadas perante a atual situação.


*Estudante do terceiro período noturno do curso de Relações Internacionais na Universidade Positivo.

**Estudante do terceiro período diurno do curso de Relações Internacionais na Universidade Positivo.


Referências:


FRASER, Simon. Afghanistan's female TV presenters must cover their faces, say Taliban. 2022. Disponível em: https://www.bbc.com/news/world-asia-61508072. Acesso em: 28 maio 2022.


G1 (org.). Apresentadoras de TV afegãs cobrem rosto após ordem do Talibã. 2022. Disponível em: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2022/05/22/apresentadoras-de-tv-afegas-cobrem-rosto-apos-ordem-do-taliba.ghtml. Acesso em: 28 maio 2022.

G1 (org). Talibã considera 'infundadas' preocupações da ONU sobre direitos das mulheres


GREENFIELD, Charlotte. Talibã anuncia que mulheres serão obrigadas a cobrir rostos em público. 2022. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/taliba-anuncia-que-mulheres-serao-obrigadas-a-cobrir-rostos-em-publico/. Acesso em: 28 maio 2022.


LEE, Joseph. Afeganistão: apresentadoras cumprem ordem do Talebã e cobrem rostos. 2022. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-61545195. Acesso em: 28 maio 2022.


PRESSE, France. Talibãs querem que mulheres sejam 'invisíveis', diz ONU. 2022. Disponível em: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2022/05/26/talibas-querem-que-mulheres-sejam-invisiveis-diz-onu.ghtml. Acesso em: 28 maio 2022.


PRESSE, France. Talibã considera 'infundadas' preocupações da ONU sobre direitos das mulheres. 2022. Disponível em: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2022/05/27/taliba-considera-infundadas-preocupacoes-da-onu-sobre-direitos-das-mulheres.ghtml. Acesso em 29 de maio 2022.