Paraguai na luta contra a Covid-19 e as relações com o Brasil

O fechamento da Ponte da Amizade e seu sentido no contexto pós-pandêmico

Por Davi P. Wuicik*

Crédito: ABC Color

Após 55 anos de sua abertura, a Ponte Internacional da Amizade, na fronteira entre Brasil e Paraguai, foi fechada pela primeira vez, oficialmente, em março, devido à pandemia da Covid-19, por iniciativa e concordância diplomática de ambos países. Apesar de já terem sido feitos bloqueios por manifestantes em outras ocasiões, a situação inédita do fechamento da ponte mostra um pouco da gravidade da situação atual e reflete nuances da relação Brasil-Paraguai.

A abordagem paraguaia frente à crise do novo coronavírus foi baseada em dois pilares. Primeiro, a precaução para resguardar a vida dos cidadãos paraguaios, e, segundo, para gerar um forte impacto na consciência da população, a fim de esclarecer a seriedade do momento vivenciado.

A precaução adotada pelas autoridades do Paraguai, além do fechamento das fronteiras no dia 18 de março, foi de isolar, em albergues, os paraguaios que vieram do exterior, como os oriundos de fronteiras com o Brasil. Esses indivíduos, que moravam ou trabalhavam em terras brasileiras, já somaram mais de 1.800, em números crescentes.

A preocupação paraguaia se revela razoável quando analisados os números de casos do Paraguai. Até o dia 6 de maio, eram 440 no total, sendo que 157 foram oriundos do Brasil. Apesar da convergência ideológica do presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, com o governo brasileiro, Abdo reconhece a forte disseminação do vírus no Brasil e teme um “transbordar”, ainda mais preocupante, de casos nas fronteiras.

Somados ao fechamento da Ponte da Amizade, em termos fronteiriços, deflagraram-se outras medidas paraguaias para a contenção da propagação do coronavírus por fluxo migratório. Além da contundente militarização dos limites territoriais, outra resposta chamou atenção nos últimos dias: a realização, por iniciativa do país vizinho, de trincheiras na fronteira seca entre as cidades de Paranhos, no Mato Grosso do Sul, e Ypejhú, do lado paraguaio.

A situação, segundo as autoridades do Paraguai, foi tida como necessária devido à pouca infraestrutura da cidade para o tratamento da doença e à possível falta de cuidado dos transeuntes na região. Por não terem efetivo suficiente para vigiar os 15 quilômetros de fronteira, as trincheiras evitam que pontos de acesso clandestino sejam usados deliberadamente.

Apesar de o mundo todo estar adotando restrições de trânsito nas fronteiras, o quadro de receio e incerteza, que paira sobre a relação entre Brasil e Paraguai, atualmente, é relevante no aspecto dos possíveis desdobramentos pós-pandemia. O diferente grau de seriedade conferido à situação pela gestão brasileira, se comparada à do Paraguai, evidencia divergências que podem, futuramente, prejudicar o estabelecimento e manutenção, sobretudo, do Brasil como uma nação de liderança regional.

* Aluno do primeiro ano diurno do curso de Relações Internacionais na Universidade Positivo (2020).

Referências

MSP confirma 9 casos más y la cifra se eleva a 440 infectados. Ultima Hora, 2020. Disponível em https://www.ultimahora.com/msp-confirma-9-casos-mas-y-la-cifra-se-eleva-440-infectados-n2883948.html Acesso em: 5 de maio de 2020.

Coronavirus: 1.800 personas están en los albergues y cada día se aglomeran más en las fronteras. ABC Color, 2020. Disponível em https://www.abc.com.py/nacionales/2020/05/04/coronavirus-1800-personas-estan-en-los-albergues-y-cada-dia-se-aglomeran-mas-en-las-fronteras/ Acesso em: 5 de maio de 2020.

Abdo anuncia militarización de la frontera con el Brasil. ABC Color, 2020. Disponível em https://www.abc.com.py/edicion-impresa/politica/2020/05/02/abdo-anuncia-militarizacion-de-la-frontera-con-el-brasil/ Acesso em: 5 de maio de 2020.

Coronavírus: Prefeito no Paraguai reforça fronteira com o Brasil cavando trincheiras. O Globo, 2020. Disponível em https://oglobo.globo.com/mundo/coronavirus-prefeito-no-paraguai-reforca-fronteira-com-brasil-cavando-trincheiras-24320794 Acesso em: 24 de abril de 2020.

#Covid19 #PolíticaInternacional